segunda-feira, 27 de julho de 2009



Síndrome de Pandora

Esperar não é pra qualquer um e não é bom, nem um pouco. A esperança é uma louca devassa sem pena dos amantes. Ela espera por nós e nós esperamos dela, eternamente. É lindo esperar por alguém e ver que, no final, tudo deu certo. Mas e quando não dá? Esperar dói, cansa, desanima, desanda, desconstrói, humilha, assusta, arrebata. Se é verdade que ela é a última que morre, igualmente é a primeira que mata. Uma amizade de anos, um amor de séculos, uma convivência de tempos. Quando ela acaba, tudo dolorosamente acaba. Por que às vezes chamamos a vida de “projeto de vida”? De projeto ela não tem nada! Não tem nada de concreto, não há certeza, não há estatísticas com margem pra mais ou pra menos. Esperar o incerto da vida é se afogar na ilusão de um apaixonado. Por isso eu digo que “se é verdade que ela [a esperança] é a última que morre, igualmente é a primeira que mata.”


Caxias,
Junior Magrafil (27-07-2009)

3 Comentários:

Anônimo disse...

"esperar pods doer, cansar, desanimar, desandar, destruir i coisas do tipo ... mas se esperar pa tih ver de novoh for preciso, criarei forças imaginaveis para tih ver novamente, i a esperança naum vai morrer nunca ... rs'

Stênio disse...

Gostei do título. Vc sempre se expressando bem!

Anônimo disse...

"dividido entre a a razão i a esperança"

Postar um comentário

 

Copyright © 2010 .: Permita-se :. Poemas de Magrafil | Design by Junior A. Magrafil